Nova Saúde lança Protocolo Clínico de Acesso

Protocolo_Cl__nico_de_Acesso.jpeg

 

A Nova Saúde planeja, para o próximo mês, o lançamento do Protocolo Clínico de Acesso. A cartilha, elaborada pela equipe de Auditoria e Normas técnicas, visa promover parâmetros de auditoria, assessoria técnica e especializada aos gestores que precisam dos serviços do Sistema Único de Saúde (SUS), bem como orientar as atividades desenvolvidas e fazer com que o atendimento seja cada vez mais humano e igualitário. O documento será lançado no dia 1º de agosto.

 

O Protocolo Clínico de Acesso é um documento que vai nortear os serviços internos da Nova Saúde, em sua assistência em exames, além de promover um padrão com normas para acessos aos serviços oferecidos pela pasta, com diretrizes do Ministério da Saúde, legislações vigentes e SUS. Assim sendo, segundo o documento, será possível agilizar as autorizações e execuções dos exames complementares solicitados e disponíveis.

 

O documento, de 76 páginas, vem sendo apresentado aos profissionais médicos e funcionários da Nova Saúde, bem como a clínicas com acesso SUS. De acordo com o médico fisiatra e auditor da secretaria, Luiz Caseira, no município não existia este protocolo e tão pouco “critérios para exames”. Disse que, o que já foi conversado com os médicos, é com relação às prioridades e solicitações encaminhadas à pasta.

 

“O custo de exames é absurdamente alto. Atualmente, muitos médicos pedem qualquer exame. Nas reuniões com eles, conversamos muito sobre estes procedimentos; muitos admitiram desconhecer até e valores. Agora existe um protocolo para cada área, com as indicações, pré-requisitos, profissionais solicitantes e as prioridades em voga. Claro que, caso haja uma justificativa porque pediu um exame concomitantemente, daí fará novamente, com casos urgentes”, disse.

 

Além de evitar desperdícios de exames, o Protocolo Clínico visa, também, tornar os atendimentos mais rápidos, dentro do que chamam de desburocratização do processo. Nesse aspecto, há necessidade de diminuir a espera na requisição de exames para os profissionais solicitantes, desde o funcionário da recepção ao médico. Assim sendo, como aponta a diretora do departamento de Normas Técnicas, Andréa Cukier, haverá a agilização nas autorizações e execuções dos exames complementares solicitados e disponíveis.

 

“Todos estão envolvidos neste processo, desde a portaria até o médico e o próprio paciente. Vamos, com isso, reduzir a burocracia, diminuir papéis; vamos controlar e agilizar os pedidos e o tempo para esta liberação. Acreditamos que a economia chegue a R$ 100 mil ao mês”, estimou, acrescentando que, dentro deste mote, está a humanização do processo, buscando o tratamento “com equidade e qualidade”.

 

Outro ponto detalhado entre as duas equipes e os profissionais médicos e funcionários está relacionado com a chamada “judicialização” da saúde, onde pacientes, com entraves em exames, acabam acionando a Justiça, que determina, entre as custas dos mesmos, o pagamento de encargos judiciais, muitos na ordem de R$ 3 mil. Com a diminuição destes prazos, segundo Caseira, será possível criar um Pacto pela Saúde, envolvendo toda a equipe da secretaria para o bem da população de Barra do Piraí.

 

“E, assim, permitiremos investimentos, que serão aplicados em melhorias na rede de assistência à saúde do município. Só para se ter uma idéia de como eram os formulários, existiam sete, como determinavam os médicos a seu bel prazer. Agora, temos apenas dois, que estarão disponíveis no site da prefeitura, não somente para os médicos, mas também para a população, em se tratando de laudo médico e guia de referência”, comemora Luiz Caseira, lembrando que, antes de ser colocado em prática, o Protocolo Clínico de Exames passou pela análise e aprovação do Conselho Municipal de Saúde de Barra do Piraí.

 

O secretário da Nova Saúde, Juberto Folena Júnior, destaca que a gestão com economia é fundamental para conter o desperdício, o que resulta na melhoria dos serviços prestados à população. “Existe uma diretriz de trabalho dentro de toda a estrutura do governo de fechar quaisquer ralos de desperdício do dinheiro público. Cada centavo deve ser investido com 100% de responsabilidade, ainda mais na Saúde, setor em que essa máxima ganha ainda mais força, uma vez que estamos falando de salvar vidas. O Protocolo Clínico de Exames vai ao encontro desse regime de gestão com responsabilidade”, finaliza.

 

Por Frank Tavares

JoomShaper